Diagnóstico Energético da Dor – Por Camille Elenne Egídio

Tempo de leitura: 4 minutos

Definição de Dor: Sinal de advertência. Sensação desagradável ou penosa que se origina pela irritação do tronco, raiz ou terminação nervosa da rede sensorial. A dor nos avisa que algo está errado e serve para proteger a parte ferida ou doente contra os outros danos, já que fazemos o possível para não mexer na parte dolorida. Numa injúria, o organismo não pode esperar que o cérebro analise a mensagem antes de começar a agir. Todos nós já passamos pela experiência de tocar em alguma coisa quente e sentir um movimento súbito, quando a mão dá um pulo se afastando, quase que antes mesmo de sentir a dor. Isso é realizado pela medula espinhal, em que os sinais de dor sofrem um “curto-circuito” no lugar, fazendo com que os músculos se movam antes que eles cheguem ao cérebro. Isso é conhecido como “reflexo” e pode ocorrer até quando uma pessoa está inconsciente. A ação de piscar quando alguma coisa se aproxima do olho é um exemplo de reflexo. Qualquer que seja a sua natureza, a dor é um indício de alguma coisa errada. Ela pode ser insignificante, e todos nós sofremos de dores que não duram muito tempo. Toda dor forte ou persistente não deve ser ignorada. (Dicionário de Termos Médicos e de Enfermagem – páginas 167/168).

O nosso corpo é interligado desde a cabeça até os pés, e dores em determinadas áreas podem indicar problemas em outras, ou seja, um desequilíbrio energético de uma área pode aparecer em outra totalmente distinta e vice-versa, é por isso que conhecer o corpo pode ajudar a diagnosticar áreas desequilibradas e assim permitir uma maior precisão no tratamento, bem como na modalidade terapêutica ideal para cada um. Diagnosticando as áreas correspondentes à dor, podemos tratá-la e prevenir que o problema se agrave, afinal sempre é melhor prevenirmos do que remediarmos.

A Medicina Tradicional Chinesa (MTC) entende que o ser humano é composto de matéria (yin) e energia (yang) e que através de um desequilíbrio entre ambos pode ficar doente. Desta forma, quando a energia (Qì) e/ou o sangue (Xuè) sofrem interrupção do seu funcionamento normal, ou seja, uma estagnação, manifesta-se a dor, sendo, portanto, necessário fazer com que este sangue e energia voltem a fluir normalmente.

A sensação de dor é diferente quando ocasionada por estagnação de Qì ou por estase de Xuè. Por estagnação de Qì a sensação é de distensão ou de traumatismo, que varia em intensidade e localização, e geralmente é ocasionada por alterações emocionais importantes. Já as dores por estase de sangue, se caracterizam por uma sensação de dor aguda, em pontada ou facada e com localização bem definida.

Dentre estes tipos de dores ainda podemos citar as estagnações que são causadas pelas deficiências de Qì e/ou Xuè, que são as dores crônicas. Se estas pioram com o repouso, mas melhoram com exercícios moderados, podemos dizer que há falta das duas substâncias, pois com o repouso ou a imobilidade, o Qì e o Xuè não fluem e como a pessoa já não tem energia suficiente para mover o sangue, a dor piora.

Em geral, quando existe apenas a deficiência de Qì inicialmente, as dores tendem a piorar no final do dia, após a jornada de trabalho ou uma atividade física vigorosa, porque o pouco de Qì que restava foi consumido, ficando ainda mais deficiente. No entanto, as dores por deficiência de sangue, tendem a se agravar a noite, pois a noite é Yin e o sangue precisa de Yang para fluir adequadamente.

Técnicas como a sangria e a moxabustão são extremamente eficazes para aliviar as dores, assim como a própria acupuntura, o qì gong e o tuiná.

É importante perceber que a MTC se diferencia da Medicina Ocidental no sentido em que trata a origem do problema, e não apenas os sintomas, proporcionando uma melhora duradoura e efetiva.

” Quando não entendemos a dor, ela nos dilacera. Quando entendemos seus fins, ela nos aperfeiçoa.” (Provérbio Chinês)

Alguns pontos que não devem faltar num tratamento para alívio de dores são: B17 (geshu); Ba6 (sanyinjiao); Ba10 (xuehai); B60 (kunlun); ID3 (houxi); E36 (zusanli); VC6 (qihai); IG4 (hegu) e logicamente mais aqueles que o precioso diagnóstico energético do terapeuta irão identificar.

Camille Elenne Egídio – Acupunturista há mais de 15 anos, professora e coordenadora-geral do Instituto Long Tao.

4 Comentários


    1. Obrigada pelos elogios e por participar do nosso blog, Sonia Martins.

      Atenciosamente, Camille Elenne Egídio – Diretora-Geral do Instituto Long Tao.

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *