Viver bem requer abandonar hábitos destrutivos. – Por Gilmara Somensari

Tempo de leitura: 2 minutos

Alguns costumes ou comportamentos automáticos deixam uma sensação de peso e infelicidade. Os exemplos a seguir vão facilitar o entendimento do que estou querendo dizer: Necessidade de estar sempre certo – existem pessoas que defendem a todo custo sua opinião e não conseguem sair de uma conversa sem sentir que seu ponto de vista se estabeleceu como o único correto. Perdem a oportunidade de se mostrarem gentis e acabam gerando estresse nos relacionamentos. Conversas mentais autodestrutivas – manter a mentalidade negativa e repetidamente derrotista. Não acredite em tudo que sua mente está dizendo. Aonde a pessoa consegue chegar com isso? Lamentavelmente fica paralisado sem esperança de realização e uma sensação de que tudo é difícil. Outra questão a abandonar – “pare de reclamar”, se está ruim você pode ter certeza de que reclamando vai ficar pior. Não é a situação que desencadeia esse sentimento em você, mas como você escolhe encará-la. Desista da sua necessidade de impressionar os outros – enquanto você procura ser especial, esquece que seu brilho será mais forte quando procurar ser você mesmo. Ser original é o caminho mais curto para impressionar alguém e aí perceberá que não precisou de esforço algum para ser admirado. Medo é outro obstáculo contra a felicidade. Medo é só ilusão, não existe, você que inventou. Está tudo na sua cabeça, corrija isso internamente e ele desaparecerá. Deixe o passado no passado – enquanto você se prende aos acontecimentos que se foram, não terá a energia focada para fazer com que o presente fique mais satisfatório. A vida é uma viagem e não um destino. Outra atitude importante é desapegar-se do apego – é difícil, mas você melhora a cada dia com a prática. Desapegar-se de todas as coisas, lugares e inclusive da pessoa amada, o que não significa desistir, afinal amor e apego não têm nada a ver um com o outro. Apego é derivado do medo, enquanto o amor é puro, gentil e altruísta. Onde há amor, não pode haver medo. Com essa postura você irá se acalmar, tornando-se mais tolerante, amável e sereno.

Gilmara Somensari Psicóloga Clínica-CRP06/49605-9, Acupunturista e Especialista em Hipnose – Atende no Instituto Long Tao de quarta à sexta-feira. Email: gsomensari@gmail.com

1 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *